Não sou perfeita, já falhei, já chorei, já tive momentos de fragilidade. E aprendi a usar cada dor como uma oportunidade para aprender lições, cada erro como uma ocasião para corrigir rotas. Aprendendo a garimpar, hoje vejo dias felizes. Nas águas da emoção, beijando o filho prologadamente, abraçando os pais afetivamente e olhando nos olhos de quem é especial para dizer "eu te amo". E ser amigo de Deus e agradecer a cada manhã o milagre da vida... E saber que vale apena vivê-la apesar de todos desafios.








quarta-feira, 4 de agosto de 2010